QUEM SÃO AS MÃES DA PÁTRIA, DA NAÇÃO BRASILIS ?

Foto:acervoambiental.net.br
                                               Se você respondeu somos todas que acreditam na nação, peço que reflita, e se posicione.  Como?
Já explico...

         Quando falamos em nome da pátria ou da nação nos distanciamos do real, do ser humano, do seres nossos irmãos e nos voltamos para o epopeico, o inventado, o teatral; corremos o risco de adentrarmos num mundo irreal e perigoso, um mundo que abstrai, subtrai pessoas, seres humanos. Esse mundo hipotético, o da pátria, pode gerar fundamentalistas com ideais nazistas, nem sempre por caráter mau, mas por ignorância.

          Nossas  ideologias não devem ser em prol do imaginativo, do teatral, como por exemplo, defender a “pátria” enrolados numa bandeira e gritando palavras de ordem que geram a desordem, a dor e a violência, sobretudo. Lembremos que Hitler também amou o que considerava pátria e matou por esse amor equivocado, milhares de seres humanos. Então, volto a perguntar: Quem são as mães da pátria, da nação brasilis? 
           Dia 10 de maio de 2020 comemoramos mais um Dia das Mães, uma data comercial, é verdade, mas que se tornou um arquétipo, tudo certo, vamos celebrar, nossas mães merecem isso e muito mais. Contudo, mãe vem do latim: māter,tris, “mae”. E o que essa “MATRIZ” gerou, reproduziu? Diante da atual conjuntura mundial essa reflexão é importante, penso. −Que seres as “mães da pátria” geraram e geram? Educam e preparam? Para o mundo real? Ou educam e despreparam para um mundo fake e desumano−? 
           O que está sendo produzido por essa māter,tris ? Políticos comprometidos com o coletivo, com suas responsabilidades em cuidar da populis, − do latim=povo−. E essa populis tem nome e sobrenome?
            Essa populis sente fome, dor, têm necessidades? Tem um DNA? Não é apenas um CPF? Ou a māter,tris produziu políticos equivocados e nazistas, amantes de uma pátria inventada para satisfazer seus interesses narcisistas ? Pense muito bem, pois do CPF desse povo gestado −de novo, Do latim−gestare−, carregar, levar−, pode não escorrer lágrimas humanas apenas...
             Dessa forma, se você não souber que tipo de mãe você é, cuidado! Suas mãos podem estar manchadas de sangue.
            Para dar luz a reflexão, vamos citar a Revolução Francesa, cujo lema foi “Liberdade, Igualdade e Fraternidade”, no intuito de auxiliar as “mães brasilis” a situarem-se no mundo real onde vivemos:
             Os termos "esquerda" e "direita" surgiram durante a Revolução Francesa, de 1789, logo após o Império de Napoleão Bonaparte; porque os membros da Assembleia Nacional se dividiam em partidários do rei à direita ( diga-se partidários do Rei: abastados, clero, gente que detinha o poder e o dinheiro), e partidários do presidente e simpatizantes da revolução à sua esquerda ( entenda-se: trabalhadores, pobres, gente que dependia do seu suor para manter-se vivo, ou seja sobreviver, gente comum, da populis que precisava ser cuidada pelo governo , gente que precisava ter direitos reconhecidos e respeitados).
             Então, “mães da pátria brasilis”, entenderam e conseguiram identificar suas posições?          Espero ter ajudado e que vocês compreendam a seguinte questão: se você escolheu sentar-se do lado, á direita do rei, supõe-se que você tem como bancar sua posição e não precisa suar todos os dias para sobreviver, correto?
            Você não deve ser pobre, não tem que “matar um leão por dia” pra ficar de pé e resistir à sua “pátria brasilis gentil”. Mas você pode ser rica, poderosa e ter empatia, ser generosa, justa, amorosa, ser um ser humano que acredita em “liberte, égalité, fraternité”. Conheço mães assim, de verdade, ricas, poderosas, especiais, principalmente por que abdicaram desse lugar à direita do rei. 
            A “pátria” dos que sangram é bem difícil de viver, ela massacra os pobres e os desafortunados todos os dias. E se você é pobre e insiste em sentar à direita do rei, naquela mesa, bem, talvez você tenha criado para si uma vida epopeica, de florezinhas cor de rosa e azuis... Então vá, sente-se no lugar onde acredita fazer parte, mas prepare-se, pois assim que o rei não precisar mais das suas palmas, ele a descartará, nem que seja pela seleção da fantasmagórica teoria da imunidade coletiva ou imunidade de rebanho; àquele do qual agora você faz parte...




Darcila Rodrigues

Comentários

  1. Amiga, que honra ser sua amiga e ter o benefício do que penso e sinto tomar forma na sua inigualável, perspicaz e cirúrgica escrita!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gratidão Chris... É uma honra, além de alegria ter você aqui. São apenas sopas de letrinhas, mas é a minha cachaça...Beijo no coração.

      Excluir

Postar um comentário