A PETIÇÃO



Mulheres com baixa autoestima sempre acham a outra mais feia. ..









O celular toca...  Ele diz todo meigo: ¨Amor... Detalhe básico: Ele nunca me chama de amor. Surgiu uma petição urgente e não poderemos jantar hoje. Amanhã poderemos passar o dia todo juntinhos e domingo também. Outro pequeno detalhe, é  quinta-feira e ele já está fazendo promessas para domingo? Vai dar “BO”.  Fiz um pequeno esforço e com voz quase angelical, disse: Tudo bem querido. Eu nunca o chamo de querido, sem problemas, já estava a caminho,  mas voltarei pra casa. Bom trabalho amor...  
Mentira, segui em frente.

Parei o carro em frente ao prédio dele, em posição estratégica. Não foi necessário mais que cinco minutos e lá estava ele na sacada.Engraçado que ele se sentia observado, ou era a culpa? A todo o momento olhava pela sacada.
Camisa nova? Porque? Todo arrumadinho, pronto para digitar uma petição! Mais cinco minutos de ódio reprimido e a porta do prédio abriu. O casal sai. O moço olha para um lado, olha para outro, típico movimento de quem está fazendo algo errado, e então, imagina fantasmas à sua volta. 

Havia sim, uma “fantasminha” de carne e osso fotografando cada cena compulsivamente e ao mesmo tempo observando cada detalhe do modelito da outra. Que coisa mais ridícula! Ficava feliz porque ela era mais gordinha, bem mais gordinha do que eu. O vestido era azul com detalhes brancos, a distância, pareciam florzinhas, sapatilhas nude, àquela “vaca” era bege, mesmo. Ah! Uma bolsa dourada, cabelos ruivos, mas não pareciam cuidados, parecia mais velha! Mais velha? Sim era, com certeza, mais velha, mais gorda, mais mal vestida, mais feia, sem o menor charme, sem o menor estilo! 

Por que essa gorda brega?  O que ele viu nela?

Quem nunca fez essa pergunta antes? Você não? Querida, está na hora de você rever seus conceitos. Acredite: Eles são polígamos por natureza! Pensei.

Ainda não sei como consegui me conter dentro do carro. Acredito ter sido por conta do meu espírito de aventura e também  investigativo. Na verdade, embora ainda não soubesse, não sentia ciúmes, estava magoada com a falta de lealdade, além do meu estado de ego alterado e a competição feminina.Nenhuma outra situação me fez pensar tanto como nós mulheres somos patéticas e tolas, principalmente quando o assunto é homem.  

 Mulheres com baixa autoestima sempre acham a outra mais feia. Ainda bem que os seres humanos evoluem. Misericórdia!

Fiquei em prontidão e segui o carro que saia do estacionamento em frente ao prédio. Sem exatamente saber até onde iria com aquele “plano”. Após alguns quarteirões o veículo parou, passei por eles, como nos filmes de James Bond, o 007. Começava a ficar emocionante! Estacionei o carro e entrei no restaurante.

Ah! Naquele dia estava vestida para matar! Despertei olhares no recinto e sentei de costas para o casal de pombinhos. Do espelho retrovisor, digo, do espelho de maquiagem, pude avistar a moça levantando e indo para o toalete. 
Chegava a hora do confronto! Pedi, ao garçom, um suco de abacaxi. Enviei uma mensagem para o celular dele e levantei charmosamente me dirigindo ao buffet onde o ¨safado¨ se encontrava e iniciava a se servir  com a primeira folha de alface. A mensagem dizia: O vestido dela é horrível e ela é gorda!

Pude ouvir o bip do celular dele alertando sobre uma nova mensagem, que ele, espantado, leu. 

Peguei um prato e, simulando me servir, falei com voz sensual no ouvido dele: Cuidado amor, a alface pode não ter sido bem lavada, prefira alimentos cozidos...  Imediatamente me afastei, desviando do garçom apressado que chegava para juntar os estilhaços do prato que, como se estivesse vivo, saltava das mãos do “Dr. Petição”, pipocando em todas as direções...

Quando acordei, ele dormia profundamente.





Acordei e me olhei no espelho
ainda a tempo de ver
meu sonho virar pesadelo

Paulo Liminsk

Comentários