OFICINA DO VERSO, ENTREVISTA: ROZELIA RASIA

Rozelia Rasia - Presidente Alpas 21
Darcila Rodrigues e Joaquim Moncks
Queridos Leitores, entrevistamos a Presidente da Academia de Artes, Letras e Ciências, ALPAS 21, com o intuito de mantê-los informados sobre as atividades da Entidade, bem como, divulgar o trabalho multicultural e de ativismo de seus integrantes. A Presidente Rozelia Rasia respondeu ao Blog Oficina do Verso e aqui, segue uma pequena mostra do trabalho dessa mulher que há mais de uma década se dedica à ALPAS 21 com tenacidade, fazendo com que artistas, escritores, poetas, pesquisadores, cientistas tenham espaço para apresentar sua arte e interagir com seus afins.  Desejamos a todos os membros da ALPAS 21 um 2017 repleto de  realizações artísticas e culturais. Que a Luz da Criação esteja sempre presente. 

 Darcila Rodrigues e Joaquim Moncks, Blog Revista e Projeto Oficina do Verso.

  
Blog OV: Poderia contar aos leitores do Blog como surgiu a ALPAS 21

Rozelia:

A ALPAS 21 surgiu com o formato de associação literária com o objetivo principal de proteger os direitos autorais e escritores e artistas em 1998. Mas logo, por solicitação dos autores, mudamos o foco para o inter associativismo com novos objetivos, como incentivar e promover a leitura, a pesquisa e a produção literária. Em 2014, a ALPAS 21 foi transformada em Academia Internacional de Artes, Letras e Ciências 'A palavra do século 21' e agregamos outros objetivos, entre os quais:  formar redes de intercâmbios em diversos países para divulgar  as obras de artes e de literatura no universo sem fronteiras. 
Portanto, fomos evoluindo e ampliando os espaços de atuação de nossos acadêmicos e de realização dos nossos projetos lítero-culturais.


Blog OV: Presidente Rozelia Rasia, pode dizer aos leitores do Blog Revista Oficina do Verso, como é a atuação da ALPAS 21 e quais as regiões do Brasil e também em quais  países há correspondentes?

Rozelia: A ALPAS 21 conta com acadêmicos e correspondentes em todos os estados do Brasil, destacando-se em quantidade e qualidade os Estados de São Paulo, Minas Gerais e Distrito Federal.
Temos acadêmicos e Delegados Culturais em Portugal, Espanha, Alemanha, França, Canadá,  Estados Unidos, Argentina, Uruguai, Chile, Paraguai, Coreia do Sul, Moçambique, Marrocos e Angola.
Nesse ano, 2016, elaboramos o Projeto Cidade Leitora, com o objetivo de conquistar o coração cultural da cidade, ao qual se integram outros projetos e atividades com o apoio de diversas instituições públicas e privadas, como:
- Biblioteca de Rua - com troca-troca, doação e empréstimos de livros;
- Circuito de contação de histórias
- Cordão humano de leitura
- Feiras de Livros
Esse projeto pode ser realizado em qualquer cidade do Brasil, pois concedemos certificados de participação ao professores, escritores, contadores etc.
Desejamos somar mais e mais cidades e transformar em Projeto Brasil Leitor.
  

Blog OV: Quem pode ser membro da ALPAS 21? De que forma acontece a indicação?

Rozelia: A ALPAS 21 está aberta a autores, artistas, pesquisadores e cientistas sem distinção de classe social, nacionalidade,  opção sexual, raça, cor ou crença religiosa de todos os países. A indicação ocorre por admiradores da obra e simpatizantes do autor, a seleção ocorre pela comissão acadêmica que avalia quesitos em relação à produção literária, artística e/ou científica, e a aprovação do potencial expresso na obra e pelas qualidades pessoais e intelectuais do autor.   


Blog OV: Quais os projetos para 2017?

Rozelia: Estamos gestando diversos projetos, com os principais objetivos:
-Criar a Câmara do Livro em Cruz Alta para melhor programar e realizar a Feira do Livro aqui;
- Ampliar a Biblioteca de Rua;
- Desenvolver mais projetos de incentivo à leitura, à produção literária e às diversas manifestações culturais.
- Ampliar as redes de intercâmbios culturais nacional e internacional.


BLOG OV: Como você definiria a ALPAS 21?

Rozelia: Estamos construindo coletivamente a identidade da ALPAS 21; mas nesse momento, defino-a como instituição multicultural em processo de internacionalização.




Comentários