TEORIA LITERÁRIA - DO POEMETO CONTEMPORÂNEO

 Extrema síntese da forma poética, o poemeto apresenta a economia de signos, de palavras. Pleno de sugestionalidade, de transcendência, tem de explodir no 'alumbramento' de que falava Manuel Bandeira. A maioria desses espécimes é quase todo prevalente em metáforas, buscando o neo-simbolismo. Ou seja, a desconjunção formal do esquema clássico. Algo como foi o dadaísmo, na pintura. Eu me atreveria a dizer que, num bom poemeto, quase tudo é metapoesia, ou seja, poesia sobre poesia, buscando a transcendência através da imagética. Nele e por ele, o espiritual urde sua específica linguagem. Urgentíssima silhueta da contemporaneidade. Um animalzinho de raça que sempre come ração de domingo. E como sabe chamar a atenção sobre a sua exótica natureza...

Joaquim Moncks, – Do livro Oficina do Verso, Vol. 1

Comentários