TEORIA LITERÁRIA: A INTERLOCUÇÃO FERTILIZA A PALAVRA


Tenho maior fascínio pelos Séculos XII, XIII, XIV, especialmente. O que dizer sobre os Bórgia,cujo título original é The Family,fascinante romance sobre a história da família que teria dado início à máfia no Século XIV, tão bem vivificada no livro do gênio Mario Puzo? E sobre Hildegard von Bingen, mulher temida e respeitada no Século XII por todos os reis e bispos e que sobreviveu por causa da sua intelectualidade e capacidade de dominar assuntos diversos, inclusive  a arte de lidar com as plantas. Intelectual e mística, foi tão respeitada e temida pelo seu amplo conhecimento. Por diversas vezes escapou da morte, visto que se a matassem os antídotos e fórmulas que salvariam vidas de muitos reis morreriam com ela.
Sabe por que os grandes políticos, imperadores, doutores, filósofos, à antiguidade, nos brindam até hoje com suas metáforas e frases célebres? Porque liam muito! Assim sendo, tornavam-se ricos intelectualmente e eram valorizados a peso de ouro.
Falta fome de leitura no país do futebol:o brasileiro lê, em média, 4, 7 livros por ano contra 10 nos EUA ou na França e 15 nos países nórdicos. Dos 4,7 livros lidos pelos brasileiros, apenas 0,9 não são livros didáticos (dados UNESCO) portanto, faltam livros na nossa mesa e metáforas na nossa "Sociedade do Espetáculo"; tema este, abordado por Guy Debord que apesar de Marxista, dentre outros autores, citou Freud;- a obra  Publicada em 1967 foi republicada no Brasil pela Contraponto editora em 1997.O livro tem como ponto central de sua teoria que a alienação é mais do que uma descrição de emoções ou um aspecto psicológico individual. É a consequência do modo capitalista de organização social que assume novas formas e conteúdos em seu processo dialético de separação e retificação da vida humana. Afinal, qual o legado que deixaremos ao que virão? Quantos autores da nossa época conhecerão a posteridade ? O que teremos a dizer quando a nossa presença não mais desenhar, na terra, a planta de nossos pés?

É chegada a hora de pensarmos sobre o que realmente faremos com a nossa condenação ao pensar.E o que buscamos além da volátil fama nas redes sociais com nossos textos(?).

Joaquim Moncks meu padrinho literário em 1992 na CAPORI - Casa do Poeta Rio-Grandense, e atualmente na Academia ALPAS 21, desde a época do Orkut realiza um trabalho que poucos ou nenhum escritor executa: torna sua obra factível de críticas, consultas, interlocuções e possibilidade de leitura e estudo aos que por algum motivo não têm acesso aos livros. Esse trabalho deu origem ao Projeto Oficina do Verso que inclui, dentre outras ações e ferramentas, o blog revista Oficina do Verso. Assim sendo, entendemos que ao criar um canal de interlocução junto a um texto, atingimos positivamente muitos poetas leitores, poetas escritores e vamos além do  exercício da confraternidade que o poetinha sempre buscou: estamos à fertilizar a palavra.

A cultura não pode ser pura, ela tem que ser miscigenada e sempre mutante, acatar as diferenças. Quem pretende segurar pra si o conhecimento é o mais pobre dos pobres e está fadado ao fracasso e a morrer do próprio veneno.


Darcila Rodrigues

Comentários